domingo, 23 de junho de 2013

Bratislava, a cidade onde bruxas foram queimadas vivas!

Nome: Bratislava
País: Eslováquia
Língua Oficial: Eslovaco
Moeda: Euro

Eslováquia
Olá passageiros. Voltei de viagem com muita história boa pra contar. Ontem foi o primeiro dia do verão 21 de junho e o tema dessa viagem realmente foi o calor. Vocês não tem noção de quanto tava quente. Enfim, a viagem começou no sábado à tarde quando fomos pegar o avião em Birmingham - cidade vizinha. Todo o esquema comum do aeroporto e da Ryanair. O voo também foi tranquilo e um pouco mais de duas horas depois já aterrizávamos em Bratislava, a little big city como é chamada.

Ao descer do avião eu já sentia a diferença que ia ser essa viagem em relação à última: o calor! Eu tava tão feliz por sentir calor, era que nem estar uma vez de volta à João Pessoa. Era um mormaço agradável que me fazia sentir em casa. Eu estava feliz! Aliás parabéns pra mim. 5 meses no Reino Unido. 7 to go :( 

Imigração. O cara me perguntou pra onde eu ia e onde eu iria ficar. '-' Falei que ficaria num Hostel em Bratislava né? Fora isso, ele carimbou meu passaporte e me deixou passar. Me surpreendi com o Aeroporto, porque era mais bonito e organizado do que eu imaginei, mas depois me dei conta que eu estava na capital de um país. Nosso objetivo era pegar o ônibus 61 que nos levaria até a estação de trem da cidade - Train Station - a qual ficava muito próxima do hostel, o Possonium. Chequei a timetable do ônibus porque chegaríamos a noite, de forma a garantir que não ficaríamos reféns de táxi. 

Eu já havia pesquisado que a forma de comprar o ticket em Bratislava era diferente. É por meio de uma máquina e você compra 'o tempo' que você vai usar, e não dá pra deixar pra comprar dentro do ônibus porque não tem cobrador, nem o motorista vai lhe vender. É uma forma meio ineficiente, mas o que você tem que fazer basicamente é ir numa dessas máquinas - a vermelha aceita notas e moedas, enquanto a laranja aceita apenas moedas - a questão é que você tem que saber quanto tempo você vai precisar. 60 minutos custas 0,90 cents de euro nos dias de semana, e pelo mesmo preço você tem 90 minutos no final de semana.

Pedrito, modelando!
Essa é a versão da máquina ryca, dentro do aeroporto. As que ficam na rua são mais fudidinhas, e é só apertar e jogar as moedinhas dentro. Assim que você entra no ônibus, você valida o ticket colocando dentro de um buraco lá, que a máquina fura '-' Se você quiser mudar de transporte vai precisar do ticket, não sei como eles sabem quanto tempo você já usou, mas enfim...

Chegando na estação de trem, o hostel ficava à uns 5 minutos. Chama-se Possonium e é um hostel muito bom. É meio barulhento de manhã cedo porque fica numa avenida principal, e como eu disse que estava muito quente, ou se abria a janela e matava um pouco do calor, ou fechava e tinha silêncio. Bem, meu sono é pesado, preferimos o 'menos quente'. Coincidência ou não, caímos no quarto temático do Brasil :) Os quartos eram decorados com cenários de alguns países do mundo e o Brasil foi escolhido entre eles.


Era engraçado ler as notícias sobre o protesto e quando olhar pra cima associar a visibilidade internacional que o Brasil tem. Ayrton Senna foi lembrado, assim como o Pelé, o Cristo Redentor e uma mulher pelada dançando Samba. Como chegamos tarde, estávamos famintos, mas a cidade já estava morta. Aliás o que você sabe sobre Bratislava, a capital da Eslováquia? Eu não sabia nada, mas agora sei que possui meio milhão de habitantes, é cortada pelo rio Danúbio, e é a única capital da Europa situada na fronteira do próprio país com outros dois vizinhos, a Áustria e Hungria.

Fronteiras da Eslováquia com a Áustria e Hungria
Nessa foto vocês podem ver à esquerda as torres de energia eólica da Áustria, e do lado direito eu supus que fosse a Hungria. Me disseram que eu poderia ver do alto do Castelo de Bratislava. Passando essa aula de geografia e voltando a linha temporal, eu estava saindo pra jantar perto da meia noite, numa cidade deserta e escura. O cara do hostel falou que era perto pra chegar na Old Town e saímos meio duvidosos, porém um pouco mais calmos quando ele disse que o índice de violência era muito pequeno, então poderíamos ir tranquilos.

Caminhando pelas ruas calmas de Bratislava, chegamos na animada Old Town e procuramos o lugar indicado pelo recepcionista do Hostel. Comemos no do lado, que era mais organizando e tinham mais opções. Abismados pelo preço baratos de refeições, comemos um pouco de tudo. Escolhi um comida aleatória de origem turca, chamada Pide. Um delícia. 1 x 0 pras comidas aleatórias.

nhami, nhami
Esse não é o tipo tradicional de Pide, ele vai com outro tipo de carne, mas como essa carne tinha acabado, nos ofereceram frango e fizemos um bom negócio. Essa massa é semelhante à de Pizza, e foi recheada com frango e queijo. A salada foi estragada por esse molho branco estranho, mas eu também não tava fazendo questão USHAUH Comi uma fatia de Pizza, dividi esse Pide que custava 3,50 e vinha em um prato maior que o tipo de prato comum, tomei sorvete, tomei refrigerante, e acho que nem gastei 5 euros.

Depois de ter começado Bratislava com o pé direito, voltamos ao Hostel pra acordar prontos e dispostos para o dia seguinte. Depois de um café continental, fomos para o centro da Old Town pro ponto inicial do Free Walking Tour. Deixa eu explicar pra vocês o que é isso. De repente, surgiu em todos os cantos da Europa uma cadeia de grupos que se propõe a te dar um tour 'grátis' pela cidade sem nenhum comprometimento em te cobrar nada. Você se encontra com a guia, o grupo passa entre 1:30 e 3 horas rodando pela cidade e no fim você dá uma gorjeta do valor que você quiser.

É uma forma barata e muito eficiente de conhecer tudo de melhor da cidade. Primeiro, como isso é direcionado pros falidos do mundo, sempre te dão dicas do que vale e do que não vale a pena fazer; vão te contar todas as coisas legais da cidade, o que é muito melhor do que sair tirando fotos sem saber a história por trás, ou o porquê daquilo estar ali daquela maneira; e por fim vão se esforçar ao máximo pra ser legal e você dar uma gorjetinha no final. Ou seja, procurem na internet e no trip advisor e vocês vão ver que está bombando em todo lugar do mundo.

Antes de eu começar a contar as coisas interessantíssimas que Bratislava tem a oferecer, gostaria que vocês escutasse a música do Beirut que carrega o nome dessa cidade escondida no coração do Leste Europeu.


A impressão que eu tive da cidade foi justamente a mesma que eu tive quando escutei a música: algo diferente do qual eu nunca tinha visto, presenciado, sentido, vivido. Acho que o espírito/objetivo de viajar é justamente esse, ver coisas das quais você nunca imaginaria ver. Dito isso, o tour começou da melhor forma que poderia começar pra mim: feitiçaria. Não estamos falando de Harry Potter, dos bruxos bonzinhos, estamos falando da feitiçaria na essência: The Evil/ O Mal. Foi com esse arrepio que talvez você tenha sentido agora que eu escutava aos fatos que a nossa guia contava.

Ela começou dizendo que a religiosidade nos eslovacos era muito forte, então eles acreditavam fielmente nas coisas, inclusive na bruxaria e nas formas de repeli-la. O dia mais famoso é o dia de St. Lucia, que de acordo com a lenda, teve a mão dada para um pagão, embora ela fosse muito cristã. A lenda diz que ele se apaixonou pelos olhos dela e por isso, ela arrancou os próprios e deu pra ele numa placa. A virgem maria teria dado então outro par novo e muito mais bonito (?) Só que na Slovakia ela é conhecida como uma das mais famosas bruxas, segundo esse site aqui. Pra depois não dizerem que eu tô dizendo que as santas são bruxas. 

Enfim, tudo isso pra contar que principalmente no dia de St. Lucia eles tomam 'precauções' com as bruxas. A ausência de luz teoricamente deixa as bruxas mais poderosas, então eles ateavam fogo no ar numa forma de diminuir o poder delas. Também costumavam comer alho nesse dia, porque isso os protegeria contra esse seres malignos. Mulheres também não podem visitar os vizinhos, afinal elas podem ser bruxas. 13 de dezembro é marcado por isso, e ainda há certos cidadãos que mantém a tradição. Vou dar um pulinho lá nesse dia, só que não.

Continuando tour, houveram outras particularidades, e mais sobre a história propriamente dita da cidade. Como, por exemplo, um buraco usado por Napoleão para disparar bolas de canhão.


Ali bem perto está a Main Square ou Hlavné námestie e junto a ela, uma feira bem charmosa e típica.




Bem, o império otomano derrotou a Hungria, mas quando tentou conquistar a pequena bratislava não conseguiu. Foi assim que a cidade se tornou a sede da coroação de reis, onde havia toda uma cerimônia em torno disso, entre elas seguir um caminho marcado por coroas de ouro no chão da cidade.


Algumas conseguiram sobreviver, porém outras foram arrancadas, afinal isso é ouro legítimo. No Brasil, todas já teriam sumido. Conta-se ainda que no tempo de coroação de reis, todas as fontes da cidades ao invés de serem preenchidas com água, eram preenchidas com vinho. Haja gente bêbada! Nesse caminho, os reis e rainhas passavam pelo portão de São Miguel.


Nele, consta a distância de Bratislava para as mais importantes cidades do mundo, só faltou claro, Brasília, porque né... 


Pertinho né?
Saindo dali fomos levado a uma placa comemorativa. Algum palpite? Em 2002, decidiram colocar uma placa em comemoração aos 400 anos da primeira bruxa queimada na Eslováquia. Tá pensando o que? Chega lá na Slovakia e diz que gosta de Harry Potter pra você ver o que acontece contigo. O nome da bruxa era Agatha Toott Borlobaschin e ela foi queimada viva em 1602 por ter confessado cometer três pecados que foram:

1. Confessar que voava numa vassoura. Olha, eu acho que a galera não tinha a criatividade pra aproveitar esse talento, afinal, se eles pegassem a senhora bruxa e botassem no correio, com certeza a eficiência da bruxa ia fazer valer uma funcionária do mês e todo o reino ficaria mais feliz recebendo suas cartas e encomendas mais rápido.

2. Falar com espíritos demoníacos. Gente, coitada da bruxa. Ela apenas se sentia solitária e queria fazer novos amigos. Aposto que se já existisse bate-papo da Uol não teríamos tido esse problema.

3. Esse exigiu um pouco mais de tortura e tempo para a bruxa admitir. Cegar uma pessoa costurando os olhos de um sapo. Nesse ela realmente extrapolou. Se era pra brincar de cabra cega, só precisava de uma faixa. 

Placa da queridíssima, Agatha!
Dali tínhamos um vista privilegiada do Castelo de Bratislava. O danado resistiu a tanta coisa que eu não tinha imaginar como uma cidade tão pequena conseguiu esse feito, provavelmente porque foi subestimada. O Castelo foi construído com o objetivo único de proteger a cidade, o que fez muito bem, e por muitas vezes. O Castelo sofreu um incêndio, após resistir a Napoleão, e as lendas contam que trabalhadores italianos contratados por tal líder político, teriam 'sem querer' incendiado o Castelo por displicência durante a preparação de um jantar. Dá até pra sentir um cheirinho de massa lá de cima. Mentira gente.


Grupo do Walking Tour
Nessa última foto, estamos no lugar em que antes era um Igreja, porém o lugar em que a Igreja ficava bloqueava a visão do Castelo na direção em que poderiam vir inimigos. Simplesmente derrubaram a Igreja e construíram uma bem mais simples ao lado, porém fora do campo de visão do Castelo. A cidade também não tem tantas coisas preservadas porque enquanto Tchecoslováquia foi decidido que a pequena Bratislava seria a cidade do desenvolvimento, a industrializada, enquanto Praga seria a capital cultural. Sacanagem, mas enfim, algumas coisas foram preservadas.

Vítima também de bombardeio durante guerras, sua Old Town ficou restrita a uma área menor, porém um prédio 'afastado' desse centro, mostra a antiga abrangência que era antes. Até chegarmos nesse prédio, ficamos sabendo de dados mais atuais da cidade. 

Bratislava nos filmes. Provavelmente o que você sabe sobre Bratislava adquiriu nos filmes Eurotrip e O Albergue. O primeiro fode a cidade a caracterizando como depressiva, horrenda e atrasada, onde judas perdeu as botas até eles virarem crianças rycas com 1,83 dólares descobrindo que a moeda seria tão desvalorizada que eles podiam ficar no hotel mais luxuoso, comer tudo de bom e do melhor e ainda bombar na noite. Vejam por si só:




É claro que o tom de Eurotrip até teria ajudado o turismo da cidade se não fosse pelo 'The Hostel'. A guia falou que o filme passou uma imagem tão ruim da cidade que 70% do turismo da cidade caiu! Isso mesmo, 70%. Vamos agradecer pelo querido Quentin Tarantino foder com a Bratislava, e o mais engraçado é que parte das filmagens foram feitas em Praga. Eles nem pra dividirem a desgraça né? 

Se você não conhece o filme, basicamente alguns jovens vão pra Bratislava atrás de garotas sexys quando de repente somem um a um porque vão sendo assassinados por uma sociedade que mata pessoas. '-' Assistam e me deem sua opinião. Na verdade, eu nunca tinha assistido o filme, assisti depois que voltei pra comprovar a coisa macabra que era ter ido na mesma estação de trem, e até ter estado em um trem bem parecido.

Bratislava na Economia. Quem pensa que a coitada da cidade é toda lascada, se engana. A economia eslovaca conhecida por Tatra Tiger evoluiu bastante, sendo um dos únicos países da região a conseguir atender as exigências e entrar na moeda Euro, sendo uma vantagem enorme. Porém alguns outros problemas assolam o país, como o desemprego, que chega a ser 40%. Em oposição a isso, a mão-de-obra extremamente qualificada - devido ao alto índice de alunos nas universidades públicas - sofre com os baixos salários, e também com baixo salário mínimo, que muitas vezes não é pago em todas as partes do país. 

Chegamos então no tal prédio afastado da Old Town, a Igreja da Santa Isabel, porém mais conhecido como Blue Church, ou Igreja Azul.




Foi exatamente nesse momento que começou a chover. Agradeci mentalmente alguns dias depois por esse momento solene no calor do inferno que foi essa viagem. Passamos também por uma praça famosa por protestos. Impossível não lembrar da situação do Brasil no momento. Ficamos sabendo de várias tradições eslovacas bem interessantes. Por exemplo, na páscoa, os homens costumam ir nas casas das mulheres jogar um balde de água nelas. Em seguida, eles as chicoteiam para que a beleza delas perdure. E obviamente, as mulheres gratas por tal gesto de generosidade masculino, presenteiam seus 'chicoteadores' com chocolate, cerveja ou dinheiro. Por isso que vou morar em Bratislava.


No natal, quem traz o presente é o menino Jesus. Os presentes de natal são postos nas botas que as crianças deixas nas janelas abertas. Os bons meninos ganham doces, e os maus ganham batatas e cenouras. Também costumam 'criar' um peixe na banheira uns 4 dias antes da ceia. Tem um negócio muito legal que cada dia do ano é para comemorar no nome de alguém. Então no dia do seu nome, você sai e seus amigos pagam bebidas pra você. 

O tour acabou mostrando uma foto histórica de uma invasão secreta que foi feita em Bratislava. Só que era tão secreta, mas tão secreta, que nem os soldados sabiam o que estavam atacando, a não ser cidadãos indo normalmente para o seu trabalho.


Essa foto foi tirada por um rapaz que morava ali perto. Tentaram abafar para que ninguém soubesse o que estava acontecendo lá na cidade, porém ele foi mais esperto e reproduziu cópias dessa foto distribuindo aos turistas para que chegasse aos ouvidos do mundo o que ocorrera, e assim obtivessem ajuda.

Continuando a volta na cidade por si só, fomos na beira do Danúbio, onde há a UFO bridge.


Wifi <3

Daí então foi só subida até o Castelo de Bratislava, com uma excelente surpresa de um tio muito talentoso no caminho.



Andando, andando até encontrar a Catedral de St. Martin.




Depois de subir muitas ladeiras já morrendo de calor e bebendo litros e litros de água, fomos chegando ao topo do Castelo de Bratislava.


Eu fazendo careta no sol


Oportunidade única de fazer o movimento guitarrinha perdurar na Bratislava, tomando apenas cuidado para não ser confundido com um bruxo. 


Descendo lá de cima famintos, tanto por comida como por souvenirs acabamos num canto aleatório comendo um prato semelhante Frango à Kiev.


Quanto ao souvenir, quebrei a tradição dos chaveiros, porque não consegui achar nenhum digno o suficiente no meu dinheiro e me rendi a uma miniatura do charmoso Cumil.



Esse senhor foi caracterizado como um trabalhador que ora estava descansando, ora estava olhando por debaixo da saia das mulheres que passavam. Se eu tivesse espaço na mala, juro que teria comprado a bruxinha que ria maleficamente :(


O tempo se esgotava e só nos restou voltar pro Hostel e partir em direção à estação de trem. Nesse caminho uma última parada no Palácio de Grassalkovich onde o presidente mora. Danado.




As primeiras impressões da cidade foram as melhores, afinal já desci do avião sentindo calor. O aeroporto era incrivelmente bem equipado e a facilidade no transporte se mostraram como surpresas positivas. Numa primeira saída à noite, podia-se sentir segurança nas ruas, quando não se olhava para um beco macabro e escuro, mesmo que não houvesse tantas pessoas na rua àquela hora. A cidade se mostrou aberta à opções noturnas, as quais conquistavam turistas e cidadãos de todas as idades sempre caminhando em direção a Old Town.

O Centro Histórico não deixa tanto espaço sobre o que falar, uma vez que se expressa por si próprio a medida que as ruelas naturalmente nos levam em vários pontos significativos e importantes, ou em estátuas alegres e interessantes. Enquanto isso, Bratislava luta para evoluir para mais do que um pit stop de backpackers entre suas vizinhas mais populares Viena e Budapeste.

O calor, apesar de por vezes desconfortável, me trazia uma sensação curiosamente agradável, me levando à acreditar em alguns momento que eu estive de volta em minha cidade João Pessoa, na minha amada Paraíba. Talvez tenha sido a falta de fogo no ar que tenha feito a magia de Bratislava me encantar e me fazer cada vez mais me sentir em casa. Só fiquei esperando uma carona na vassoura, porque minhas pernas cansaram de tanto caminhar.

Uma cidade extremamente forte que sobreviveu à invasões e à líderes como Hitler e Napoleão, lutou contra Bruxas, emerge numa situação econômica favorável e combate a publicidade negativa de filmes infelizes na tentativa de aumentar sua média de 1 dia e meio por turista na cidade, provando em cada esquina que merece tanta atenção como qualquer outra capital do mundo. De uma coisa você não vai reclamar, seu dinheiro poderá ser bem melhor gasto, seja em comida ou em bebida. Adeus Bratislava, mas com certeza estarei voltando na Páscoa.

Vista da Old Town de Bratislava

Confira outros destinos na seção Já Fui.

Gostou da postagem? Curta o ExpressoLondres no facebook aqui.

10 comentários:

  1. Aee! Adorei o texto!
    Um dos maiores (e melhores) sobre a Bratislava que já li até agora! Me deu super vontade de ir hehehe

    Esperando, anciosamente, o texto sobre Vienna e Budapeste hahaha

    Beijo!

    Aryma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Aryma. Tem que ir mesmo se for passar na região, não custa nada. Saiu primeira parte de Vienna. Beijo.

      Excluir
  2. Oi, Reiron! Adorei seu texto e as histórias da Bratislava.
    Parece com o jeito que gosto de escrever lá no The Way Travel :)
    Me identifiquei rs

    Vou pra Bratislava em fevereiro, levando meu pai e tava pesquisando na RBBV sobre a cidade. Já viu acompanhar o seu blog que adorei.
    E a cidade parece encantadora... Adorei saber das histórias dela.
    Abraço.
    Rafael Leick

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey Rafael! Por acaso, já tinha topado com o The Way of Travel não lembro exatamente quando. Agora parei pra prestar mais atenção, e realmente temos semelhança no estilo. Já estou seguindo também. ;)

      Bratislava é fenomenal. Quanto mais subestimam uma cidade, melhor fica. Boa viagem. Abraço.

      Excluir
  3. Muito bom Reiron gostei muito, tirei algumas duvidas de lá,Cidade maravilhosa.Moro a 25 anos no Rio de janeiro,Mas sou de joão pessoa também.abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey Edson. É uma cidade show mesmo. Não conheço o Rio ainda mas pretendo. Abraço.

      Excluir
  4. Confesso que as minhas primícias não foram boas,pois estava procurando informações sobre porque a Eslováquia era tão estranha.
    Realmente a impressão que o filme "O Albergue" passou,não ajudou muito aos telespectadores a se simpatizarem com o lugar,porém, gostei muito. Muito bonita,charmosa e interessante, visitaria sim(,se tivesse grana,pois sou pobre,pobre,de marré,marré)fiquei fascinada,até senti um pouquinho de inveja,inveja boa é claro.

    ResponderExcluir
  5. Confesso que as minhas primícias não foram boas,pois estava procurando informações sobre porque a Eslováquia era tão estranha.
    Realmente a impressão que o filme "O Albergue" passou,não ajudou muito aos telespectadores a se simpatizarem com o lugar,porém, gostei muito. Muito bonita,charmosa e interessante, visitaria sim(,se tivesse grana,pois sou pobre,pobre,de marré,marré)fiquei fascinada,até senti um pouquinho de inveja,inveja boa é claro.

    ResponderExcluir
  6. E se tentarem me raptar e me vender?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é bem uma questão de tentar. Acho que eles vão conseguir. :x

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...